As mulheres do Rotary são pura inspiração

No Dia Internacional da Mulher, nossas associadas falam de suas experiências com voluntariado

Por Jane Lawicki

O que motiva mulheres comuns a fazerem coisas extraordinárias para alterar positivamente a vida de pessoas de diversos lugares do mundo e, ao mesmo tempo, servir de referência no lugar onde vivem?

Razia Jan, fundadora e diretora do Centro Educacional Zabuli, foi homenageada no Dia Internacional da Mulher.

Três rotarianas decidiram responder a esta pergunta durante uma celebração referente ao Dia Internacional da Mulher realizada na Sede do Banco Mundial, em Washington, D.C., no dia 8 de março.

Fundadora e diretora do Centro Educacional Zabuli, frequentado por mais de 625 garotas de Deh’Subz, no Afeganistão, Jan informou que a primeira turma se formou em 2015 e que um centro para o ensino superior, voltado a mulheres, está prestes a ser aberto.

Na escola as meninas têm aulas de matemática, inglês, ciências e tecnologia, e aprendem técnicas para ganhar seu sustento em um ambiente social desfavorável.

A neurocientista Walters, do Rotary Club de Unity, no Estado de Maine, EUA, foi voluntária na Safe Passage (Camino Seguro), organização sem fins lucrativos que fornece serviços educacionais e sociais a famílias que vivem em um lixão na Cidade da Guatemala. Ela fez a proeza de ir de caiaque até a Guatemala para aumentar a conscientização sobre a situação sub-humana em que vivem estas pessoas.

Hussey, do Rotary Club de Portland Sunrise, também em Maine, fez da erradicação da pólio sua missão de vida. Sobrevivente da poliomielite, ela passou os últimos 14 anos liderando equipes de voluntários do Rotary em Dias Nacionais de Imunização contra a paralisia infantil em países em desenvolvimento.

Dra. Deborah Walters, do Rotary Club de Unity, foi homenageada pelo Banco Mundial durante o Dia Internacional da Mulher.

 

Ela sempre participa ou lidera equipes durante Dias Nacionais de Imunização em países como Bangladesh, Chad, Mali, Niger, Nigéria. Egito e Índia. Nestes lugares, as necessidades são imensas. A publicidade e boa vontade geradas pela visita das equipes do Ocidente ajudam a comunicar a importância de se prosseguir com as imunizações.

“Estas mulheres personificam os dois principais objetivos do Banco Mundial, que é dar fim à pobreza extrema no espaço de uma geração e aumentar as chances de prosperidade para todos”, disse Daniel Sellen, encarregado de uma associação de funcionários do Banco Mundial. “Estas rotarianas ilustram a força que a mulher tem para mudar o mundo, melhorando a vida por meio de projetos inteligentes nas áreas de educação, saúde e desenvolvimento econômico.”

Ann Lee Hussey foi homenageada pelo seu trabalho em prol da erradicação da pólio.

 

Fonte:https://www.rotary.org/pt